O que muda com o fim do boleto sem registro?

O que muda com o fim do boleto sem registro?

Vamos entender como funcionará à medida que estabelece o fim da opção sem registro.

 

O boleto bancário é uma das modalidades de pagamento mais populares no Brasil. No entanto, o projeto da Nova Plataforma da Cobrança trouxe algumas alterações a este tipo de pagamento, afetando tanto as empresas que emitem o documento quanto a quem o paga.

 

De acordo com dados da Federação dos Bancos (Febraban), o crescente número de fraudes bancárias é o principal motivo para que a medida fosse aprovada. É só pensar, de acordo com o que explicamos, e perceber que o boleto simples é mais vulnerável aos constantes golpes que vemos por aí. Muitos deles permitem mudar, até mesmo, o código de barras.

 

As mudanças da Nova Plataforma da Cobrança estão sendo realizadas de forma escalada, divididas por faixa de valor do boleto:

 

Novo Cronograma:

Com a mudança, confira as datas de implementação da NPC (Nova Plataforma da Cobrança) de acordo com a Febraban:

 

Data de início:            Valor do boleto:

10/07/2017                 Igual ou acima de R$ 50 mil

11/09/2017                 Igual ou acima de R$ 2 mil

A partir de 2018         Igual ou acima de R$ 500

A partir de 2018         Igual ou acima de R$ 200

A partir de 2018         Boletos de todos os valores

 

Como funciona o boleto sem registro?

Você deve estar se perguntando o motivo pelo qual o boleto sem registro é tão utilizado. Pois bem! Ao emiti-lo, o lojista não desembolsa nenhum valor, sendo que o banco recebe apenas o pagamento dos produtos comprados pelo cliente. Se o consumidor não finalizar a compra, nenhuma taxa de serviço será cobrada ao dono do e-commerce em questão. 

 

Outro ponto a favor do boleto simples é a alteração dos valores e datas de vencimento entre o cliente e lojista, já que esses dados não foram registrados. Esse detalhe ajuda no momento de renegociar a venda, de forma com que não haja desistência.

 

Como funciona o boleto com registro?

Chegou a vez de conhecermos o tal do boleto com registro. Para começar, vamos explicar o que significa, na prática, esse meio de pagamento.

 

Esse tipo de boleto é o contrário do simples. Para ser gerado, os e-commerces, empresas pagam uma taxa ao banco de destino, de forma com que os dados do cliente e do boleto sejam registrados. Dessa maneira, o banco terá informações do usuário como nome e CPF, além de conter o valor da compra e a data limite para pagamento.

 

A questão citada acima mostra que a principal vantagem é a segurança, já que haverá mais controle na hora de confirmar pagamentos e, até mesmo, contestações. Por isso, muitas empresas já utilizam esse meio bem antes das notícias sobre o fim do boleto sem registro.

 

Já a desvantagem fica por conta dos custos. Agora, pequenos e-commerces e empresas terão que arcar com custos que antes eram inexistentes. Entres as tarifas inclusas no boleto com registro estão: sua liquidação, permanência, protesto, alteração e cancelamento.

 

A recomendação para as empresas que utilizam boletos como forma de pagamento é que comecem a se adaptar às exigências da nova plataforma o mais breve possível, mesmo que o valor de suas cobranças ainda não seja contemplado pelo cronograma. Isso ajudará a evitar erros no momento da implantação das mudanças.

 

Fonte: Administradores